CAPITAL INTELECTUAL

É sabido que o balanço patrimonial das empresas, elaborados em conformidade com as normas de contabilidade atualmente em vigor, apresentam o patrimônio líquido da entidade pelos seus valores históricos.

Os princípios estão direcionados para a apresentação dos itens patrimoniais pelo valor constante nos documentos de aquisição, ou seja, a valores de custo. Exemplo: se a empresa adquire um bem patrimonial por R$ 60.000,00; caso o seu valor de mercado seja R$ 80.000,00; o valor a ser registrado e considerado para fins de demonstração patrimonial será o constante do documento de aquisição: R$ 60.000,00. Ressalvada a permissão para reavaliação de bens imóveis, isto se aplica a tudo: estoque, instalações, máquinas, equipamentos etc.

De uma forma bem simples podemos notar que o balanço de uma empresa apresenta o seu patrimônio pelo valor que os componentes custaram para ela, e não pelo valor que realmente valem no mercado.

Por ocasião de qualquer transação envolvendo uma empresa, surge uma novidade. O valor da negociação costuma ser por um valor muito superior ao constante do seu balanço patrimonial. Exemplo: A IBM adquiriu a Lotus por 3 bilhões de dólares, embora o valor contábil desta fosse apenas 250 milhões de dólares. No Brasil, a Unilever adquiriu a Kibon por um valor 70% acima do valor patrimonial físico desta.

O motivo de tamanha diferença nos remete a uma reflexão.

As empresas iniciam com um certo capital inicial em um determinado seguimento mercadológico. Entretanto, com o desenvolvimento de suas atividades as empresas começam a formar uma clientela leal, desenvolvem produtos de boa aceitação, oferecem assistência técnica de boa qualidade, selecionam seus fornecedores, usam tecnologia de ponta, investem capacidade intelectual de seus funcionários, contratam executivos com notória respeitabilidade no mercado, não agridem o meio ambiente, conquistam o respeito da opinião pública em seus seguimentos de mercado etc. Podemos chamar a isso de "estilo de atuação vitoriosa", que com o tempo acaba também tendo um valor.

A este conjunto de fatores invisíveis, decorrentes da sua "atuação vitoriosa", e que possui às vezes um valor até maior do que a parte visível da empresa, é que podemos chamar de Capital Intelectual.

Capital Intelectual é definido como um capital não-financeiro que representa a lacuna oculta entre o valor de mercado e o valor contábil. Assim representado:

CI = VM - VC

Onde:
CI – Capital Intelectual
VM – Valor de Mercado
VC – Valor Contábil

Estabelecer regras e mecanismos para mensuração e registro do valor deste Capital Intelectual é, atualmente, um dos grandes desafios no mundo da contabilidade e dos negócios.

 

 

Publicação: IOB Comenta, 1ª semana, Out/01